sábado, 17 de setembro de 2011

O Velho Zahid VIII

Os dois amigos foram acordados com a ventania que fazia fora da barraca. Ao abri-la, Lucas só conseguiu ver areia. Areia e mais areia. Cego, colocou as mãos sobre os olhos, caminhando sem direção. Em um momento parou e abriu os braços. Sentiu a areia bater contra o corpo e abriu um sorriso. Sentia-se mais leve, menos amargo e esperançoso.
Falou algo a Gabriel, que se escondia do deserto.
- O quê você disse?!
- Eu falei que não será a chuva, a areia ou o deserto que irá me impedir de se tornar um guerreiro!
- Você muda de humor facilmente! – brincou.
- Como a lua, todos temos fases, Gabriel! O que devemos ter é controle de nossas emoções!
Gabriel se aproximou, também encarando a ventania e a areia pesada. – É difícil! – gritou. – A emoção fala muito por nós!
- Não tenha vergonha de escondê-la! Apenas não faça por impulso!
E os dois ali ficaram contemplando o nada. A natureza e seu fluxo natural, com seus fenômenos.
- Você vai desafiar o Zahir mesmo?!
- Será uma honra! – berrou, abrindo um largo sorriso. – Se for para perder, perderei para o melhor, e então seguirei minha jornada!

Nenhum comentário:

Postar um comentário