sexta-feira, 6 de maio de 2011

Você é o Autor da Sua Vida

Se você mantém-se estagnado na cama, como um pobre coitado, você espera que as pessoas façam algo?

Então, de certa forma, não conseguimos nos libertar da dependência daqueles que não queremos conviver.

E se ninguém acredita mais em você: esqueça os outros!

Seja seu único e fiel companheiro. Afinal de contas, é o seu Eu interior que irá acompanhá-lo até o final da vida.

Se pensas em suicídio, analise quem de fato sairá perdendo. É claro que as pessoas ao seu redor sofrerão, mas não são elas as mesmas que você quer distância? Então o suicídio deixa de fazer sentido. É como enviar uma carta aos seus algozes pelo preço da existência.

Sustente-se em ti, por mais doloroso que seja.

Não tenha vergonha de chorar. Só ti sabes e sempre saberá o sofrimento que mora em seu coração. Buscar libertar-se do sofrimento, até com meios não ortodoxos, não é errado. Errado é vincular toda a sua vida ao vício. Acredite: um dia você perderá o controle de si mesmo.

E esqueça a vingança. Na vida existem dois pesos e duas medidas. O peso e contrapeso de uma realidade empírica. Não me refiro aqui que, quem lhe ofende, um dia terá a retribuição necessária. Peço apenas para esquecer-se dele ou deles. E se são a sua família os sinta como meros serviçais. E pensando assim, não faça greve de fome. Agradeça pela comida que foi feita sem o seu esforço.

Se alguém o julga ou o encara de uma forma não muito animadora, dê as costas. Você não está aqui para ser julgado. Pode e deve escutar bons conselhos. Mas não coisas insensatas. Há pessoas que gostam de punir as outras com castigos dignos da Idade Média.

Procure sempre a Justiça se algo acontecer com sua integridade física, seu emocional ou sua dignidade. Não tenhas medo de perder. E não tenhas medo do que os outros irão falar. Repare: mais uma ver eu me refiro aos outros. O grande problema estar em se preocupar muito na opinião alheia.

Saiba que você irá descobrir muitos traidores na vida. Dizem que querem o seu bem, mas querem da forma deles. Nunca aceite tal tipo de conduta. Repito: nunca. Se escutares uma crítica, peça o fundamento. Se alguém quiser ensinar uma lição, que ensine com amor e carinho.

E seja sempre você. Triste ou feliz.

Aprenda que a vida é uma montanha-russa de emoções e que a glória é tão passageira como o anonimato.

3 comentários:

  1. Muito bem escrito e de muita profundidade! Parabéns Raphael.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Você é um pensador nato!!
    e o espectador se torna o vivant ...
    muito bons seus textos... se libertar de amarras que te impedem de ser seu sonho em pessoa é quase voar... querer saber mais do que falar...quebrar dogmas que não te cabem...vencer medos... como construtor e condutor de sua própria abóbora ") e um anfitrião de seu próprio baile. Primeiramente, livre de um 'pré conceito'...querer bem as pessoas e olhá-las por sua perspectiva mais bonita nos faz também queridos...
    importar-se com todos...
    mas...acredito em invisibilizar-se a inveja...receber os atenciosos...amar os solidários... cuidar os sensíveis...
    A vida no ato...o atuar, realmente é difícil... por experiência, 'se ver aos olhos do outro', o 'pensar o pensamento do outro', o 'responder a vontade do outro', não nos faz construtivos... tenho percebido como dizer sim quando se quer dizer não, por exemplo, torna o roteiro, muito mais complexo do que poderia ser! Porém na prática do dia-a-dia nem sempre tempos sucesso em todas situações...mas nos perguntando vamos encontrando respostas...será que a prática leva mesmo à perfeição??

    ResponderExcluir